terça-feira, 20 de junho de 2017

Alvará Régio - 1820

Alvará Régio decretando a divisão do território das vilas de Pastos Bons e São Bernardo do Parnaíba em cinco freguesias

Sendo informado da grande falta de socorros espirituais, que experimentam os povos residentes nos territórios da vila de Pastos Bons e S. Bernardo da Paranaíba da Província do Maranhão, por se acharem dispersos em uma vasta extensão e separados por uma desmedida distância de muitas léguas das igrejas matrizes, criadas em tempo de menor população: Hei por bem, que os territórios que formam os termos das sobreditas vilas sejam divididos em cinco freguesias, tendo cada uma o seu pároco para administrar os sacramentos e mais pasto espiritual aos povos que habitarem nos seus respectivos distritos, que serão:
1º O de São Félix, que terá por limites da parte meridional as ribeiras de Balsas, Neves, Grajaú, Farinha e Lapa; e da parte do norte ou de Pastos Bons deverá ser o seu limite divisório junto da povoação de São Félix, onde o rio de Balsas faz barra no da Parnaíba, e atravessando aquele, onde nele faz barra o riacho Fundo, acima da fazenda Maravilha seguirá pela Serra Vermelha até os últimos moradores naquela direção, e nos outros lados serão marcados os seus limites de maneira que mais conveniente for, para que as povoações, que por ali se acham estabelecidas e as que para o futuro se formarem, possam ser prontamente socorridas.
2º O de Pastos Bons – limitado pela fazenda Maravilha e Serra Vermelha, correndo à beira do rio Parnaíba abaixo até a fazenda Boa-Esperança exclusivamente, e daí dirigindo-se ao centro em rumo direito a procurar a extrema da fazenda Inhuã de Francisco Pereira Franco e na mesma direção seguirá ao rio Itapicuru até acima da nova povoação denominada – Almeida de El-Rei – pelas extremas superiores da sesmaria demarcada ao Alferes Raimundo de Morais Bandeira.
3º O de Almeida de El-Rei, que principiará desde a fazenda Boa-Esperança na beira do rio Parnaíba, correndo para o centro pelo mesmo rumo divisório, que por este lado serve para o de Pastos Bons, e correndo rio Parnaíba a baixo até a fazenda denominada – Várzea – a de Ana Páscoa exclusivamente, e daí cortando o centro em direção à Serra do Valentim, pela qual se deve seguir e no fim dela procurará o rio Itapicuru, que será atravessado onde finda a demarcação da sesmaria São Zacharias pela parte de cima.
4º O do Brejo dos Anapurus, que compreenderá o terreno que há desde a feitoria Olho D’água Grande inclusivamente, sita na beira do rio Parnaíba correndo por este abaixo até o sítio e morro Arrodeio, que são as extremas das fazendas Santa Quitéria e Santo Eugênio, e a sua largura deverá ser desde a beira do rio, onde a mencionada feitoria faz extremas com a fazenda São Luís e de João Lopes, correndo para o centro pelas extremas das sesmarias de Joaquim Alves Costa e Cônego Bekman até a fazenda da Chapada de Antônio de Sousa exclusivamente, e daí seguirá o rumo que corresponder à corrente do rio Parnaíba, procurando sempre os limites naturais de rios e morros até chegar a paragem, que ficar em frente ao sítio e morro Arrodeio.
5º Finalmente o de São Bernardo da Parnaíba, que constará de todo o resto do terreno dos mencionados termos e será limitada a matriz de São Bernardo pelo norte pelo mar oceano, pelo julgado da feitoria, cujas extremas principiam onde o riacho Buritizinho faz barra, e pelo sul pelo distrito de Brejo dos Anapurús. – A Mesa da Consciência e Ordens o tenha assim entendido e faça executar com os despachos necessários.
[El Rei]


FONTE: MARQUES, César Augusto. Dicionário histórico-geográfico da Província do Maranhão. Rio de Janeiro: Cia Editora Fon-Fon e Seleta, 1970. p. 158-159.


sexta-feira, 16 de junho de 2017

Freguesia SB


Conforme prometido no início do ano, tenho a alegria de apresentar o brasão (não convencional) do Blog Freguesia de São Bernardo do Parnaíba, ou simplesmente, Freguesia SB. A cor dourada do escudo simboliza a nobreza da vida cristã, da qual São Bernardo (imagem que se encontra no altar-mor da Igreja Matriz de São Bernardo-MA), que está ao centro, é modelo a ser imitado. Como divisa, num listel dourado, forrado de vermelho, a legenda "1741 Freguesia São Bernardo do Parnaíba 1816" em letras brancas e vermelhas. As datas referem-se, na ordem em que estão, à criação da freguesia e à fundação da Matriz.


Gotas de mel: ensinamentos de São Bernardo


"Queres então saber de mim por qual motivo e em que medida devemos amar a Deus? Bem, digo que o motivo de nosso amor por Deus é o próprio Deus, e que a medida desse amor é amar sem medida".

(São Bernardo de Claraval, Tratado sobre o Amor de Deus, nº 1)



terça-feira, 13 de junho de 2017

Bula "Pro Apostolico" - Papa Paulo VI


     Até 1971 a Paróquia São Bernardo pertenceu à Arquidiocese de São Luís do Maranhão. Por meio da Bula Pontifícia Pro Apostolico, a qual reproduzimos a seguir, o Papa Paulo VI criou a Diocese de Brejo, tornando-se São Bernardo uma das paróquias da nova diocese.

Paulo, Bispo
Servidor dos servidores de Deus
Para perpétua lembrança

Pelo dever apostólico que cumprimos por desígnio divino, julgamos cumprida em grande parte a nossa incumbência de pastor de toda a Igreja ao podermos oferecer aos fiéis todo tipo de auxílio. Sendo de grande importância entre esses auxílios a constituição de dioceses, aceitamos o parecer do nosso venerável irmão João José da Mota e Albuquerque, Arcebispo de São Luís do Maranhão, que depois de ter ouvido a Conferência dos Bispos do Brasil, pediu a esta Sé Apostólica que fossem desmembrados alguns territórios de sua Arquidiocese para formar uma nova Igreja. Aceito, portanto, o parecer do nosso venerável irmão Humberto Mozzoni, Arcebispo Titular de Sida, e Núncio Apostólico no Brasil ou o parecer da Sagrada Congregação para os Bispos, houvemos por bem decidir e ordenar quanto segue. Da Arquidiocese de São Luís do Maranhão separamos todo o território dos municípios de Afonso Cunha, Anapurús, Araioses, Barreirinhas, Brejo, Buriti, Chapadinha, Coelho Neto, Duque Bacelar, Magalhães de Almeida, Mata Roma, Santa Quitéria do Maranhão, São Benedito do Rio Preto, São Bernardo do Parnaíba, Tutóia, Urbano Santos e com esses municípios fundamos a Diocese de Brejo, limitada pelos territórios acima mencionados e abrangendo os municípios que mencionamos. Assim, pois, a Sé Episcopal da nova diocese será em Brejo e a cátedra magistral será no templo da cúria da mesma cidade, consagrado a Deus em honra da Imaculada Conceição da Bem-aventurada Virgem Maria que passará a ser a catedral com as devidas honras e privilégios. A nova diocese será sufragânea da Sé Metropolitana de São Luís do Maranhão, ficando o bispo sujeito a essa Igreja Metropolitana. A Catedral será criada também como cabido dos cônegos por meio de outra bula devidamente autenticada. Por hora, o bispo deverá eleger os consultores diocesanos para assessorá-lo. Assim dita mesa episcopal, será provida pelos emolumentos da Cúria, pela ajuda financeira espontânea dos fiéis e pela parte dos bens que tocará à nova diocese, de acordo com a norma 1500 do Código de Direito Canônico. Quanto ao Seminário e formação dos seminaristas deverão ser observadas as prescrições do Direito Canônico, do decreto “Optatam Totius” do Concílio Vaticano II e as normas peculiares da Sagrada Congregação para a Educação Católica. No tempo oportuno deverão ser escolhidos alguns jovens para serem enviados a Roma, Pontifício Colégio Pio Brasileiro para o estudo de Teologia e Filosofia. Quanto ao regime diocesano, administração, eleição do Vigário Capitular, direitos e obrigações dos fiéis etc., sejam observadas as normas canônicas. Assim que for constituída a Igreja de Brejo, passarão a pertencer a essa Igreja os sacerdotes que aí tenham o benefício e o múnus eclesiástico. Os demais clérigos e seminaristas pertencerão à Igreja em que residem. As atas e documentos referentes à diocese recém-criada deverão ser transferidos da Cúria de São Luís do Maranhão para Brejo para serem guardados religiosamente nos devidos arquivos. Dessa nossa última prescrição fica incumbido o nosso venerável irmão Humberto Mozzoni ou um sacerdote por ele delegado, o qual deverá redigir atas dos eventos e enviá-las o mais rápido possível à Sagrada Congregação para os Bispos. Queremos que esta Constituição logre o seu efeito no presente e no futuro, de tal maneira que tudo o que aqui se decreta seja observado religiosamente e passe a vigorar. A presente Constituição não poderá ter a sua eficácia impedida por nenhuma prescrição contrária de espécie alguma. Além disso, ninguém terá o direito de romper ou corromper esses documentos que exprimem a nossa vontade. Os exemplos e passagens desta Constituição, impressos ou manuscritos, que trouxerem a impressão do selo de uma pessoa constituída na dignidade eclesiástica juntamente com a assinatura de um tabelião público, deverão ter a mesma autenticidade que teria o presente documento se fosse apresentado.

Dado e passado em Castelgandolfo, próximo de Roma, aos 14 de setembro de 1971, nono ano do nosso pontificado.

Cardeal Aloisio Traglia, Chanceler da Santa Igreja Romana
Francisco Tinelli, regente da Chancelaria Apostólica
Cardeal Carlos Confalonieri, Prefeito as Sagrada Congregação para os Bispos
José Delton, Protonatário Apostólico
Eugenio Sevi, Protonatário Apostólico

Expedido em 9 de outubro do 9º ano do Pontificado.

Arquivo Vol. CXXXIX nr. 82.

FONTE: PAULO VI, Papa. Bula Pro Apostolico. Bula de criação da Diocese de Brejo, em 14 de setembro de 1971. Tradução juramentada de Joshuah de Bragança Soares. São Paulo, 1995.
 
 

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Relíquias da Freguesia: a nova Matriz


Parte frontal da Nova Matriz de São Bernardo, recém-construída. Foto pertencente ao acervo pessoal de Benilse, filha de dona Beliza e do sr. Coelhinho (in memoriam), que aparece na imagem.


terça-feira, 30 de maio de 2017

Relíquias da Freguesia: Fazenda Paraíso

(FOTO -  In: ASSUNÇÃO, Matthias. A memória do tempo de cativeiro no Maranhão)

A fazenda Paraíso (São Raimundo/São Bernardo-MA), outrora, pertenceu à ilustre família dos Pires Ferreira, grande benfeitora da Matriz de São Bernardo. Esta fazenda foi a Casa Mãe dos Pires Ferreira no Nordeste do Maranhão e possuiu um significativo engenho de açúcar, que movimentava a economia da região. A foto registra o que sobrou da Casa Grande. 


segunda-feira, 22 de maio de 2017

Ordenação Diaconal


Com imensa alegria anuncio oficialmente que minha ordenação diaconal será no dia 12 de agosto, na Sé Catedral de Quixadá, às 19h. Desde já conto com as orações de todos a fim de que o Deus Altíssimo leve à perfeição a obra começada!

Atenciosamente,
Felipe Costa Silva